A conformidade de um serviço de guincho-socorro veicular

Desde o surgimento da indústria automotiva, houve a necessidade de se criar mecanismos de serviços para buscar e transportar veículos que não estão funcionando. Com o desenvolvimento tecnológico, os serviços de guincho-socorro veicular também precisaram se aperfeiçoar e buscar novas tendências do mercado. O guincho-socorro veicular pode ser definido como um mecanismo operacional instalado em um veículo de carga adequado, destinado a puxar ou suspender, arrastar (resgatar), rebocar e transportar por intermédio de dispositivo específico de acionamento hidráulico, elétrico, pneumático, mecânico, manual ou composição destes, de um ou mais veículos/ou serviços correlatos como destombamento, desatolamento e apoio ao resgate veicular Uma prestadora de serviços nessa área consiste em transportar veículos enguiçados e seu acionamento pode ser por meio de particulares ou por contrato com seguradoras, que a acionarão a partir dos chamados dos segurados. Os veículos guincho-socorro têm de estar sempre em boas condições, contar com mecânico terceirizado que deve garantir a boa manutenção dos caminhões, sem grandes custos. Para o transporte de carros deve-se investir em guinchos-plataforma. Funcionários competentes garantem a oferta de serviços rápidos a preços acessíveis e ajudam a tornar o negócio competitivo, num mercado que cresce ano a ano. Imprimir nome e telefone da empresa nos guinchos ajuda na divulgação. A frota brasileira de automóveis, cada vez mais avançada tecnologicamente, tem apresentado crescimento apesar de crises econômicas que o país vem enfrentando. Esse fator torna o serviço de guincho um negócio bastante interessante, principalmente em áreas com grande fluxo de veículos e pouca assistência técnica especializada. O mercado da prestação de serviços de guincho está diretamente relacionado ao mercado de veículos automotores. Nesse ramo, o empreendedor deverá conhecer os mercados em que irá atuar. Basicamente será necessário identificar o mercado consumidor, o mercado concorrente e o mercado fornecedor. A demanda por esse tipo de serviço — oferecido diretamente ao cliente final, e via convênios, que podem ser firmados com seguradoras, locadoras de veículos, concessionárias de veículos, revendas, etc. — apresenta um segmento de mercado com crescimento contínuo e bastante amplo. Deve-se entender os requisitos para construção e operação do guincho-socorro veicular, bem como a instalação sobre o chassi do caminhão.

Da Redação –

Segundo o Sebrae, o negócio de serviço de guincho-socorro veicular está relacionado ao atendimento emergencial e autossocorro. As empresas ou microempreendedores individuais desse ramo oferecem os serviços de remoção de veículos com problemas mecânicos ou elétricos até os locais credenciados para conserto e ainda realizam eventuais atendimentos de pequenos reparos mecânicos. A agitação das cidades, onde o tempo é consumido de forma intensa, permitiram o desenvolvimento de novos hábitos, onde a conveniência e comodidade passam a ter um valor significativo na rotina das pessoas.

O automóvel passou então a representar o símbolo desse novo conceito de vida moderna, não apenas como meio de transporte, mas como símbolo dessa conveniência. Nesse cenário insere-se o negócio e foi-se o tempo em que trafegar em rodovias rumo a qualquer parte representava um transtorno, principalmente se durante a viagem o carro apresentasse uma pane. Para contornar essa situação, foi criado esse tipo de serviço. O serviço de guincho-socorro veicular oferece o atendimento emergencial a motoristas de veículos automotores com dificuldade de locomoção em razão de falhas, tais como: pane seca, mecânica, elétrica, reboque, transporte para ocupantes do veículo e guarda do veículo.

O profissional que presta serviço de guincho não deve ser confundido com mecânico, ou seja, tal profissional tem a função de atender o usuário na sua dificuldade momentânea que é a de guinchar o veículo para um posto de apoio ou oficina mais próxima, segundo o interesse do proprietário do veículo socorrido. O mercado da prestação de serviços de guincho está diretamente relacionado ao mercado de veículos automotores.

A frota brasileira de automóveis, cada vez mais avançada tecnologicamente, tem apresentado crescimento apesar de crises econômicas que o país vem enfrentando. Esse fator torna esse serviço um negócio bastante interessante, principalmente em áreas com grande fluxo de veículos e pouca assistência técnica especializada.

Tradicionalmente a demanda por esse tipo de serviço — oferecido diretamente ao cliente final, e via convênios, que podem ser firmados com seguradoras, locadoras de veículos, concessionárias de veículos ou revendas de automóveis — apresenta um segmento de mercado com crescimento contínuo e bastante amplo. No intuito de estudar melhor esse mercado, o empreendedor deverá pesquisar os indicadores econômicos e sociais da região em que pretende abrir a empresa.

É essencial que se analisem alguns índices como: tamanho da população, população economicamente ativa, índice de potencial do consumo, índice de desenvolvimento humano, número das empresas desse ramo já instaladas. Assim, o empresário deve procurar definir as características gerais dos clientes; que preços estão dispostos a pagar pelos serviços; o que leva o cliente a escolher uma empresa; qual será o raio de atuação da empresa.

Para conhecer o concorrente, é necessário identificar as empresas que trabalham com serviços de guinchos no raio de atuação onde a nova empresa irá trabalhar. A partir daí, deve-se realiza as visitas e examinar-se os pontos fortes e fracos dessas empresas em relação a qualidade e tipo dos serviços prestados, preço praticado para cada serviço, localização da empresa, condições de pagamento, prazos, descontos, entre outros.

É importante verificar também a oferta de serviços e comodidades adicionais, como garantias, lanches e/ou água para o cliente atendido, horários de funcionamento, entre outros. Após essa análise, devem ser realizadas as comparações e a visualização se a nova empresa poderá competir com as analisadas, se há espaço para mais um empreendimento do mesmo ramo, e o que a nova empresa terá de diferencial para que os clientes deixem de chamar o concorrente.

A estrutura de uma empresa de guincho é bastante simples e se compõe pelas áreas de atendimento ao cliente, área de estacionamento e manutenção de reboques e pequeno escritório para a administração. O espaço de estacionamento deve ser bem estruturado, de preferência em forma de galpão, respeitando a facilidade de movimentação e manobras de veículos de grande porte.

Também, é ideal que os ambientes da empresa sejam contíguos, facilitando o contato entre a parte administrativa e a garagem dos veículos de prestação de serviço de guincho. A área física da empresa, como dito acima poderá variar segundo a expectativa do empresário e o número de veículos que serão empregados na prestação de serviços.

A quantidade de profissionais está relacionada ao porte do empreendimento. Para amenizar os custos iniciais com folha de pagamento, convém optar pela contratação de uma equipe enxuta, assim, a proposta para uma empresa desse setor de pequeno porte é começar com três funcionários, sendo dois motoristas e um assistente administrativo financeiro.

Os motoristas, além de saber operar os equipamentos, necessita cuidar da aparência pessoal e apresentar uma postura profissional adequada, ter conhecimento de mecânica de automóveis para reparar pequenas falhas e saber atuar em casos de emergência. Ainda são necessários a atenção com o cliente, fluência verbal para saber comunicar-se com clareza e percepção espacial para identificar localidades e endereços.

O assistente administrativo financeiro será o responsável por receber e arquivar documentos, emitir notas fiscais e outros documentos, controlar contas a pagar e a receber, alimentar planilhas ou softwares de gestão, além de atender chamadas telefônicas, responder e-mails e atender fornecedores e clientes em questões administrativas ou burocráticas. Esta função poderá ser desempenhada pelo próprio empresário que, além de conhecer muito bem o produto e a empresa, deve ser bom ouvinte, organizado e ter habilidade para utilizar ferramentas da área de tecnologia da informação. Para serviços gerais e de limpeza, poderá ser contratada mão-de-obra terceirizada conforme a necessidade.

No mercado, existem o guincho elétrico que tem excelente desempenho, mas quando utilizado por muito tempo sem intervalo, apresenta alto consumo de energia das baterias e pode sofrer superaquecimento, sendo necessário interromper seu uso para resfriamento. A principal vantagem é que funciona com o motor parado. O guincho mecânico um funcionamento bom, mas para o perfeito funcionamento tem que adequar o câmbio do veículo para que aplique a saída de força. Esse tipo de guincho não funciona com o motor parado. Por fim, o guincho hidráulico que não funciona com o motor desligado e para sua instalação é necessário que o veículo tenha uma bomba de direção hidráulica instalada. Tem grande potência e sua montagem é mais fácil em relação aos guinchos mecânicos pelo fato de não possuir eixo cardã. Além disso, utiliza mangueiras flexíveis e controle remoto.

A NBR 14582 de 06/2020 — Implementos rodoviários — Guincho-socorro veicular — Requisitos de construção e operação especifica os requisitos para construção e operação de guincho-socorro veicular, bem como a instalação sobre o chassi do caminhão. Não é aplicável aos guindastes articulados hidráulicos utilizados para carga geral e não é aplicável a equipamentos para elevação de pessoas.

Há vários tipos de guincho-socorro veicular. O guincho tipo plataforma fixa deve ser constituído de uma carroçaria fixa ao chassi do caminhão, e rampas manuais, hidráulicas ou pneumáticas na traseira com a finalidade de carregar veículos horizontalmente e/ou serviços correlatos, e fornecer apoio ao resgate veicular. O carregamento e o descarregamento devem ser efetuados através de um guincho de cabo fixado na plataforma. Sua estrutura fixa deve estar implementada no veículo conforme regras estabelecidas pelo manual do fabricante do veículo).

O guincho tipo plataforma autodeslizante é constituído por uma estrutura horizontal móvel, rígida ou articulada, com movimentos de deslizamento e basculamento, com finalidade de rebocar veículos leves e pesados horizontalmente. Sua estrutura fixa deve estar implementada no veículo conforme regras estabelecidas pelo manual do fabricante do veículo. É opcional o uso do dispositivo de garfo hidráulico (asa delta) no equipamento, ficando a critério do fabricante ou do consumidor final a inclusão deste dispositivo. O equipamento pode ou não possuir o dispositivo deck (remonte).

O guincho rebocador tipo cavalete deve ser composto de uma lança fixa apoiada sobre um cavalete, podendo ou não ser extensível, com a função de direcionar a linha de força de um guincho redutor, para içar, puxar, arrastar e resgatar veículos e/ou cargas. Este guincho deve possuir um braço rebocador, de acionamento mecânico, manual, pneumático ou hidráulico na traseira, que permita içar e rebocar o veículo. Sua estrutura fixa deve estar implementada no veículo conforme as regras estabelecidas pelo manual do fabricante do veículo. O equipamento deve conter condições mínimas para o armazenamento de ferramentas. Este equipamento pode ou não possuir sapatas de apoio.

O guincho de arraste rebocador articulado é composto por uma lança de resgate e um braço rebocador, este podendo ou não ser integrado a lança. O guincho rebocador articulado possui a capacidade de resgatar e rebocar veículos ou cargas. Sua estrutura fixa deve estar implementada no veículo conforme regras estabelecidas pelo manual do fabricante do veículo. O equipamento deve conter condições mínimas para o armazenamento de ferramentas. Este equipamento pode ou não possuir sapatas de apoio.

O guincho rebocador pode ser montado em caminhões e caminhões-tratores. Tem como sua função principal rebocar veículos através de um braço rebocador, sendo esse com nivelamento hidráulico ou manual com ângulos positivos, negativos e neutro. Podendo este possuir um guincho redutor para auxilio de operações. O equipamento deve conter condições mínimas para o armazenamento de ferramentas. É opcional o equipamento possuir sapatas de apoio.

Assim, um guincho-socorro veicular deve possuir uma placa de identificação do equipamento confeccionada em alumínio ou em material resistente às ações do tempo, com as seguintes informações: identificação do fabricante; modelo do equipamento, data de fabricação e número de série; tara e lotação; número de identificação do equipamento veicular (NIEV) e chassis.

O equipamento deve ser fornecido com um manual contendo no mínimo as seguintes instruções operacionais: descrição do sistema de acionamento, incluindo diagramas e descrições dos símbolos utilizados nas alavancas de controle; descrição dos dispositivos limitadores e indicadores; orientações de operação e segurança específico; desenhos apresentando todos os sinais de alerta e as posições em que são afixados no guincho socorro veicular; e orientações de manutenções preventivas. O manual deve fornecer informações básicas dos acessórios necessários para operação. Deve ter uma descrição do sistema de acionamento, incluindo diagramas e descrições dos símbolos utilizados nas alavancas de controle.

Além disso, deve ser fornecida a descrição dos dispositivos limitadores e indicadores, os desenhos apresentando todos os sinais de alerta e as posições em que são afixados no guincho- socorro veicular e um alerta de perigo sobre o trabalho próximo às redes elétricas aéreas, conforme legislação vigente.

A capacidade de carga do guincho-socorro veicular deve ser adequada ao peso bruto total (PBT) e peso bruto total combinado (PBTC) ou capacidade máxima de tração (CMT) do veiculo a ser implementado, seguindo as normas ou recomendações do fabricante do veículo e a legislação vigente. Para que seja garantida a melhor aderência dos pneus ao solo, devem ser observados os seguintes aspectos, o PBT e o PBTC do veículo e as cargas admissíveis sobre os eixos. O fabricante do guincho deve comprovar estes valores. O fabricante deve fornecer demonstrativos de carga sobre os eixos dianteiros e traseiros do veículo nas condições com e sem carga máxima permitida pelo equipamento (pior condição). Os demonstrativos devem ser entregues ao usuário para habilitação do guincho montado no veículo.

Escrito por: Redação — https://www.revistaadnormas.com.br/

We are a technology company and have come to provide vehicle assistance safely for connected drivers. 🚗 📲: http://goo.gl/j38M2N | http://goo.gl/zgJ83s

We are a technology company and have come to provide vehicle assistance safely for connected drivers. 🚗 📲: http://goo.gl/j38M2N | http://goo.gl/zgJ83s